quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

QUE CÁLICE É ESSE?


Lemos em Lucas 22.39-46 que Jesus pede ao Pai que afaste dEle "este" cálice.

E em 2015 anos de cristianismo com seus intérpretes autorizados fomos impedidos de ver o que está na cara e explícito no Evangelho, conforme Jesus que é quem nos abre o entendimento das Escrituras, Ele é a chave hermenêutica. O que viveu e encanou é o que nos dá o entendimento de todo o resto, Ele é a Palavra de Deus.

Jesus estava num processo de falência física chamado de hematidrose, fenômeno conhecido na medicina por transpirar sangue devido à angústia extrema.

Sua angústia consistia em entrar em contato com o pecado e sua conseqüente separação do Pai, visto que o pecado nos separa de Deus. Ele que não conhecia pecado se faria pecado por nós.

O cálice que Jesus pedia que o Pai passasse dEle NÃO era a cruz, mas a morte por falência física ANTES da cruz.

Portanto Jesus NÃO pedia para que o Pai o livrasse DA cruz, masPARA a cruz.

Leia Hebreus 5.7-9 e veja que Ele foi ouvido, leia João 12.27-28 e veja que Ele veio justamente para esta hora e em Mateus 16.22-23 Ele repreende severamente Pedro quando este diz que de maneira nenhuma Ele morreria na cruz.

Portanto não faz o menor sentido a interpretação "oficial" de que o Senhor Jesus Cristo temendo a cruz, orou para o Pai livrá-Lo dela, isso é absurdo e não combina com o Espírito de Cristo.


OBS: É desta forma que os do Caminho da Graça interpretam as Escrituras, com a Palavra de Deus que é Jesus servindo de Luz.


Sócrates que não é Deus tomou cicuta sem hesitar, por que Jesus seria mais covarde do que Sócrates? 

por Cláudio Nunes Horácio

20 Deixe seu comentário!:

CARLOS HERRERA disse...

Olá pessoal!

Todas as quartas, tenho postado reflexões de blogueiros amigos...

Hoje, temos o artigo "Que cálice é esse? , do mano Cláudio Horácio!

Boa leitura!

Pr. Carlos Roberto disse...

Olá Carlos Herrera,

Graça e Paz!

Parabéns pelo post.

Realmente, o pedido de Jesus ao pai, interpretado da maneira "convencional", que eu julgo melhor do que "oficial" (rsrs), não combina mesmo com o espírito de toda a história do Messias. Ele veio para ir à cruz e jamais hesitou em fazê-lo.

Um grande abraço!

Bom Dia!

Pr. Carlos Roberto

CARLOS HERRERA disse...

Olá Pr.Carlos

Concordo contigo, essa visão foge do convencional, por isso decidi posta-lo.

disse...

Este texto do maninho é muito bom. Paz!

René disse...

Herrera,

Marcos faz uma diferenciação entre cálice e batismo, no capítulo 10, versos 38-39, que é mais completa que seu paralelo em Mateus. Como sabemos, batismo significa morte. Assim, o cálice é, provavelmente, o intenso sofrimento.

Então, Jesus teria orado pelo livramento daquele sofrimento, no que foi atendido, conforme Hebreus 5.7.

É assim que entendo!

Abração e Paz!

Felipe Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe Costa disse...

(Erros de português corrigidos, rs)
Concordo com o René.

O cálice ao qual Cristo se refere, certamente significa sofrimento. Em Mt 10:38, Jesus pergunta se eles estão dispostos a beber do cálice o qual Ele iria beber. No verso 39, Ele afirma que os discípulos beberão desse cálice, cálice de sofrimento.

Em João 18:11, diz: "Mas Jesus disse a Pedro: Põe a tua espada na bainha; não beberei eu o cálice que o Pai me deu?". Ele sempre quis beber do cálice, conforme vemos em Filipenses 2, que Ele por vontade própria e não por mandamento, esvaziou-se de si mesmo para cumprir o sacrifício salvífico. Ele era homem e Deus, e como homem teve medo do que viria pela frente e como Deus foi até o fim.

O cálice o qual Jesus bebeu foi o destino de todos os homens: o abandono por parte de Deus devido ao pecado: "Eli, Eli, lamá sabactâni" (cf. Mt 27:46). Isso é um tipo (ou o próprio) inferno. O completo abandono de Deus devido ao pecado.

É apenas minha posição, não precisa concordar. Abraços, irmão Carlos.

www.merocristianismo.com

René disse...

Herrera,

Na verdade, eu concordo com a linha de pensamento desenvolvida no texto, só discordando do que seja o cálice. Não acho que o "temor" de Jesus fosse a hematidrose, pois Ele sabia que não sucumbiria daquela forma.

Por isto, digo que o cálice é o sofrimento extremo, do qual Ele foi liberto, pois, logo depois de ter suado sangue, Ele levantou e foi ao encontro dos guardas com intrepidez, como se não estivesse mais sofrendo daquela forma intensa.

Abração e Paz!

A Viagem disse...

Paz..Encontrei seu site não tenho habito de fazer muito comentario e sim ler para aprofundar meu conhecimento .
e muitas vezes fico triste com as adivergencias entre igreja quando no meu ponto de vista deveria ser respeitado todas as igrejas entre si por isso disse leio e pouco falo tenho muito para aprender.
Sou da igreja Palavra de Vida.
Estou seguindo seu site para poder voltar aqui convido a seguir-me.
Paz de Jesus.
Evanir.
www.fonte-amor.zip.net

disse...

Concordo plenamente com René, logo após ele se levantou muito bem. Jesus não morreria antes de passar pela cruz, nunca iria isso acontecer, ele foi livre da angustia, que lhe atormentava. Também tenho este post do maninho em meu blog. Paz!

CARLOS HERRERA disse...

Olá maninha do blog fonte de amor.

fica a vontade..volte sempre!

não me importa onde vc congrega..aqui vc será bem recebida ok..

unidade não é uniformidade...podemos discordar em alguns pontos..mas somos um na cruz de Cristo

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Olá!

Considero que é sempre importante extrairmos reflexões de cada detalhe do Evangelho e das Escrituras em geral.

Na Nova Tradução Internacional (NVI), o texto de Lucas 22.44b diz que "o seu suor era como gotas de sangue que caíam no chão", sendo que alguns manuscritos não trazem os versículos 43 e 44. E alguns supõem que tal omissão seja porque alguns copistas tiveram o cuidado de retratar a humanidade de Jesus como se isto fosse um rebaixamento de sua pessoa. E creio que isto deva ter ocorrido na época em que surgiu a doutrina eclesiástica sobre a divindade do Messias.

Vários séculos depois, parece que ainda temos a mesma dificuldade de lidar com a humanidade de Jesus!

Sinceramente, não vejo ambiguidade ou conflito em se admitir que Jesus possa ter orado para que o Pai o livrasse da cruz.

Vejo Jesus como um cara que amava intensamente a vida, mais do que qualquer outro ser humano e, obviamente, bem mais do que o filósofo grego Sócrates. Logo, é possível que o Senhor, quando estava sentindo que iria ser preso e iria deixar os seus discípulos, teve suas emoções abaladas como qualquer outro ser humano.

Aceitar a humanidade de Jesus é algo importantíssimo no crescimento espiritual dos crentes porque podemos aprender com ele sobre não escondermos nossos sentimentos, fobias e emoções. Com a oração de Jesus no Jardim das Oliveiras, entendo que nem eu e nem ninguém é um super crente e que, buscar refúgio no colo do Pai em horas de fraqueza é a atitude mais acertada que podemos ter em horas de angústia.

Tanto os Evangelhos como as Escrituras Hebraicas podem ser lidos de inúmeros pontos de vista. Dizem os sábios judeus que a Torah tem "setenta faces" e eu concordo com esta afirmação.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Em tempo!

Ano passado escrevi em meu blogue dois artigos que falam sobre admitirmos a nossa humanidade, os quais indico como complemento de meus comentários postados acima:

"Jesus chorou" (publicado em 17/05)

"Admitindo e trabalhando a nossa humanidade" (02/10)

http://doutorrodrigoluz.blogspot.com/

Abraços.

CARLOS HERRERA disse...

amigo Renê, somos dois rsss!

A primeira vez que ouvi essa tese foi no papo com graça, quando o Caio Fabio trouxe essa percepção..

Quando li o texto do maninho Cláudio...só legitimou essa percepção em mim..

E, concordo contigo e o felipe..o calice é sofrimento e não a cruz...
O suor de sangue é consequencia da agonia..


Vou procurar um técnico urgente ..pois minha cpu mental ta lenta... dificil para ler as informações com rapidez rs

Porém o texto é muito bom...porque há muitos que creem que Jesus teve medo da cruz..rss

Rodrigo..obrigado pela visita...
quanto ao texto concordo com tudo com a exceção de que Jesus poderia ter medo da cruz..
Jesus nasceu para este dia...Pedro tentou dissuadi-lo, e foi duramente repreendido!
volte sempre ..amigo

abraços

Pb. Antonio Donizete Pereira disse...

Paz do Senhor Jesus querido.
Aceitando o seu convite e agradecendo pela visita.
Temos bastante em comum, somos divulgadores da volta de Cristo, e sendo assim , se ficar-mos unidos, com certeza faremos a diferença que o Mestre espera de nós.
Abração.

Cláudio Nunes Horácio disse...

Carlos, obrigado por divulgar o texto. O essencial é sabermos que Ele NÃO clamou para ser liberto da cruz, o resto pode ser qualquer coisa e na verdade não tem importância. Forte abraço, graça e paz.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Olá CARLOS e CLÁUDIO!

Não sei se iremos tirar proveitos entrando em mínimos detalhes, pois, como bem colocou o Cláudio, autor do texto, "o resto (...) não tem importância". Mas o que acho essencial na passagem sobre a agonia no Getsêmani é que Jesus sentiu mesmo o pavor da morte, experimentando e expressando o desejo de escapar dela.

Neste sentido, acho que podemos estar falando a mesma coisa com palavras diferentes quando o autor coloca que:

"Sua angústia consistia em entrar em contato com o pecado e sua conseqüente separação do Pai, visto que o pecado nos separa de Deus. Ele que não conhecia pecado se faria pecado por nós."

Pois, se considerarmos que a morte é consequência do pecado e se relaciona com a separação dos seres, esses termos estão interligados formando uma unidade: pecado-morte-separação.

O fato de Jesus saber que viera para morrer, não significa que, na véspera dos acontecimentos, ele não pudesse se sentir fraco diante da situação, o que acho muito natural.

Já a comparação com Sócrates, não sei se posso ver tanta coragem em seu ato. Ele preferiu um envenenamento natural do que ser morto. Executou a si mesmo de um modo suave. Aliás, segundo o psiquiatra Augusto Cury, o suicida busca na morte um remédio para a dor (inclusive, ele também comenta sobre o episódio do Monte das Oliveiras). Mas acontece que Jesus amava muito mais a vida do que Sócrates e do que qualquer um de nós.

Bem, para finalizar, gostaria de compartilhar que, depois deste texto e de uma expiada na nota de rodapé de duas bíblias sobre a omissão dos versos 43 e 44 do capítulo 22 de Lucas por alguns copistas, senti-me inspirado a escrever um novo texto em meu blogue. Não como resposta a eventuais divergências, mas sim para compartilhar algumas reflexões minhas aqui na internet:

"Por que a humanidade do Messias assusta?"
http://doutorrodrigoluz.blogspot.com/2011/01/por-que-humanidade-do-messias-assusta.html

Shalon!

Conexão da Graça disse...

Herrera,nessa foto do Danilo Gentili do CQC eu juraria por céus e terra que o cara é seu irmão gêmeo!rsrsrs
Brincadeiras a parte, assino em baixo do texto do Claudio mas tbm chamo a atenção para as verdades contidas no comentário do mano RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ sobre a humanidade do Senhor Jesus.
São paradoxos que convergem entre si.

Franklin Rosa

Rita disse...

Olá,
muito bom esse texto,mas,hoje eu entendo que o que realmente havia no cálice era a morte eterna,Ele a provou por nós,cada gota,enfim a venceu pelo seu poder e perfeição,afinal não havia pecado nEle,e assim reina para sempre e por sua morte e ressurreição temos vida eterna,creio assim,que o cálice continha a morte eterna,pois foi dessa morte que sua morte nos libertou.
Paz!!

Anônimo disse...

Meus irmãos e amigos, creio da seguinte maneira: A bíblia relata em diversos versículos a respeito da ira de Deus contra o pecado (João 3:36/Salmos 7:11/Rom. 1:18) também relata em diversos versículos a respeito do cálice da ira de Deus (Isaías 51:22/Jeremias 25:15/Apocalipse 14:10). Em Isaías 53 o capitulo profético a respeito da crucificação de cristo a mais de 700 a.c diz que "a Deus agradou esmagá-lo" em algumas traduções moê-lo. Respeito, mas não creio de forma alguma que Jesus achava que poderia morrer antes da cruz ou que como humano que também era, estar com medo dela. Em meu entendimento Jesus estava pedindo ao Pai que, se possível afastasse dele toda a ira que Jesus sofreu na cruz alem de todos os açoites, a ira vinda de Deus para saciar a sua justiça, ou seja, Deus viu em Jesus todos os nossos pecados e descarregou toda a ira que seria a nós destinada em Jesus Cristo. Fiquem na paz meus queridos.