quinta-feira, 17 de março de 2011

Creio em Deus!


Creio num Deus que governa todas as coisas soberanamente, pois nada foge ao seu controle e domínio.

Num Deus imanente, cujo o poder está literalmente ativo e presente, tanto na criação como na história da humanidade.

Que transcendeu toda lógica humana, tomando para si um homem, para que não visse a morte.


Parando o sol, a lua e o cosmo para dar vitória a seu general, no mesmo dia.
Num Deus que fez um corvo trabalhar em favor do profeta na beira de um filete de água.


Que escolheu as coisas loucas desse mundo para confundir as sábias!
Abatendo os soberbos na sua vã maneira de viver, exaltando o que nada tem para se jactar.

É nesse Deus que eu creio! Que está além do óbvio, do pré-estabelecido e do agendado...
Que reina sobre tudo e todos, segundo sua boa vontade!

Nos Tsumanis da vida, alguém pode afirmar que não estás no controle de todas as coisas. No entanto,  Tú continuas com a eterna mania de ser Deus,  operando em nós tanto seu querer como seu efetuar. 
Mesmo que o nosso mundo esteja desmoronando, não estamos sós! 
Tú estás conosco!
Pois diante da calamidade, o vejo em todas as partes, quer numa criança salva dos escombros da existência, quer na alto mar da desesperança....nada foge ao seu controle..Estamos debaixo das suas asas..amém!


Carlos Herrera

11 Deixe seu comentário!:

disse...

Por isso me amarro na Confissão De fé Westminster que diz:
“Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece, porém de modo que nem Deus é o autor do pecado, nem violentada é a vontade da criatura, nem é tirada a liberdade ou contingência das causas secundárias, antes estabelecidas... Pela sua muito sábia providência, segundo a sua infalível presciência e o livre e imutável conselho da sua própria vontade, Deus, o grande Criador de todas as coisas, para o louvor da glória da sua sabedoria, poder, justiça, bondade e misericórdia, sustenta, dirige, dispõe e governa todas as suas criaturas, todas as ações e todas as coisas, desde a maior até a menor... A onipotência, a sabedoria inescrutável e a infinita bondade de Deus, de tal maneira se manifestam na sua providência, que esta se estende até a primeira queda e a todos os outros pecados dos anjos e dos homens, e isto não por uma mera permissão, mas por uma permissão tal que, para os seus próprios e santos desígnios, sábia e poderosamente os limita, e regula e governa em uma múltipla dispensação mas essa permissão é tal, que a pecaminosidade dessas transgressões procede tão somente da criatura e não de Deus, que, sendo santíssimo e justíssimo, não pode ser o autor do pecado nem pode aprová-lo.Confissão de fé de Westminster (3:1; 5:1,4)
Paz maninho. Gostei da sua confissão, penso igualzinho a ti!

Conexão da Graça disse...

Herrera, na Sua soberania, Deus nos dá o privilégio e a liberdade de construir a história junto com Ele!Franklin

CARLOS HERRERA disse...

Oi Rô...
A confissão de Westmister ela é belissima, e toda a história de sua elaboração..valeu por cita-la.bjs

Concordo contigo Frankilin, "Deus nos dá o privilégio e a liberdade de construir a história junto com Ele"
Sem passionalidades idiotadas..rs abraço maninho

Eduardo Medeiros disse...

oi carlos, tudo bem?

olha, amigo, confesso que minha compreensão de deus é diversa da sua mas isso não tem a menor importância já que nem eu nem você nem ninguém, pode dizer com absoluta certeza como deus age a partir da sua essência, já que esta não pode ser conhecida.

confissões de fé não passam disso: "confissões de fé..." cada um, cada homem de fé se chega a deus segundo o seu próprio conhecimento e natureza; assim, os mais submissos e afeitos a obedecer sem questionar, creem num deus soberano, que "ordena livremente" (uma expressão para mim dúbia, paradoxal e impossível); já os mais questionadores e com problemas com autoridades intocável, podem não crer num deus tão soberano assim, ou questionam e querem saber como funciona tal soberania(talvez por não terem entendido que a fé é loucura para os que não creem)

será que moisés cria nessa soberania divina quando provocou mudanças no próprio comportamento de javé ao questioná-lo sobre o duro povo israelita?

alguém já disse se nós fóssemos miquinhos inteligentes, nosso deus talvez fosse um gigantesco gorila perfeito e transcendetal...

amigo, espero não ofender sua fé com meus comentários pois essa não é minha intenção; minha intenção é sempre o diálogo respeitoso mas com um pouco de "pimenta" de vez em quando. rsss

pretendo escrever algumas coisas sobre o tema no meu blog de teologia caminhosdateologia.blogspot.com, se quiser acompanhar para mim seria um honra.

abraços

CARLOS HERRERA disse...

Olá Eduardo,
Como vc bem disse: é uma questão de fé..rsrsrs

Porém minhas crenças em Deus não são baseadas na racionalidade humanoide, mas totalmente pautadas na intangibilidade da fé...que é o firme fundamento das coisas que não se viram e as provas das que se esperam.

Pois, não consigo conceber a idéia da razão se apropriando da verdade/Deus, mas a verdade/Deus se apropriando da minha razão mediante a experiência de fé promovida pela graça divina.

Essa experiência mas faz crer na imanência e transcendência divina, na imutabilidade daquele que é, foi e sempre será o Deus que não pode ser adicionado ou subtraido...que governa todas as coisas segundo sua vontade soberana ou permissiva. enfim...como vc bem disse é questão de fé...

Eduardo, jamais me ofenderei com sua posição contrária...alguém já disse e costumo reproduzir..."unidade não conformidade, uniformidade"...rss
Pensamos diferente sobre este tema, mas não deixamos de ser um em torno de Cristo.

abraços

Rita disse...

Amém,
Sábias palavras pautadas na Palavra.
De eternidade a eternidade Ele é o que é,e sustenta todas as coisas pela força do seu poder.

Está acima de qualquer vontade ou verdade humana,pois ELE É O QUE É.

pAZ,QUE O Eterno o abençoe mais e mais!!

Eduardo Medeiros disse...

é isso, carlos. eu não consideraria a razão pejorativamente como de "humanóide", pois foi ela que nos trouxe até aqui. (a ciência racional que permitiu a possibilidade de estarmos conversando através dos bits da net) rsss

e eu creio, amigo, que até para escolhermos ter fé, precisamos de um pouco de razão. existe, sem dúvida, creio, "as razões da fé" e essas razões são passíveis de serem discutidas, racionalmente.

no mais, é bom ter essa "unidade não conformada", pois alguns, donos das suas verdades, não admitem questionamentos e rechaçam como "pertubador" ou "herege" quem pensa a fé diferentemente deles.

quase nada do que eu afirmo como crença creio ser impossível de ser questionada. aliás, adoro ser questionado pois isso abre a possibilidade do diálogo .

abraços

CARLOS HERRERA disse...

Olá Edu,

Vc tem razão sobre a razão..rsrsrs
ela é fundamental, pois como vc bem disse..ela nos trouxe até aqui!

já pensou maninho, se não fosse a capacidade dada por Deus de pensarmos, possibilitando irmos além do pré-estabelecido como verdade aparente(tangível) ou essencial(intangível), estariamos ainda na primitividade da consciência e literalmente na idade das cavernas rsrs.

A razão pura e simples é importante mas é diametralmente oposta "ao entrarmos pelo caminho da fé". e, ao entrar por essa vereda, usei o termo pejorativo....

vc escreveu que :
"que até para escolhermos ter fé, precisamos de um pouco de razão"

Com todo respeito, mas acho impossivel o homem escolher ter fé, sem que a graça de Deus ...olha que nem sou calvinista rss. pois:

a razão se apropriando da verdade/Deus é impossivel.
Mas continuo crendo que é a verdade/Deus que se apropria da minha razão mediante a experiência de fé promovida pela graça divina.
pq bem-aventura não é o que viu e creu..mas o que não viu e creu

isso não significa ser irracional, mas ter uma nova consciência, uma nova mente, que raciocina as coisas com as categorias do evangelho....

bom, é questão de fé...
abraços

René disse...

Amém, Herrera!!! Assim creio também!!

Abração!!!

René disse...

Ah, Herrera! Obrigado pelo selo, que acabei de perceber!!!

CARLOS HERRERA disse...

Valeu René...abração amigo